Karol G Encontra Seu Flow

À beira-mar, a artista colombiana traz o toque feminino ao reggaeton.

PALAVRAS Isabela Raygoza
Novembro 2019
COMPARTILHAR

A inspiração chegou a Karol G — como lhe chegam muitas coisas — à beira-mar.

Em um fim de tarde de 2018, enquanto fazia uma pausa na agenda lotada, a artista se viu olhando para o horizonte a partir das majestosas praias das Ilhas Turks e Caicos, no Caribe. A partir daquela tarde diante do mar, surgiu o impulso para compor as músicas de Ocean (2019), o segundo álbum de estúdio da cantora colombiana que muitos consideram a atual rainha da música urbana. “Quando estou em frente ao mar, é o único momento em que realmente me conecto comigo mesma”, diz Karol G agora. “O oceano é tranquilidade, é calma, é paz e é vida. E ao mesmo tempo é tempestade. É o que somos nós, as pessoas”, acrescenta.

Estamos em Miami, em uma sessão de fotos em frente ao hotel SLS — à beira-mar, naturalmente — durante um dos dois breves dias de descanso que Karol G tem no meio de sua turnê pelos Estados Unidos ao lado de Gloria Trevi.

Quando Karol G está no palco, é uma força da natureza. Com maquiagem dramática, extensões de cabelo e roupas que variam de minúsculos shorts e saias com sapatos de plataforma a calças esportivas com tops que expõem o abdômen, a cantora se apropria do ambiente com energia implacável por quase três horas.

Fora do palco, Karol G é reconhecida como estrela, com seus cílios longos, cabelos prateados e atitude e visual hip-hop. Também é encantadora: calorosa, amável, divertida e eloquente. É fácil passar uma tarde conversando com ela, como se fosse a melhor amiga. Essa capacidade de conexão faz parte de seu apelo, parte da razão pela qual os fãs têm aumentado: são mais de 23 milhões de seguidores no Instagram. “70% dos meus seguidores são do sexo feminino, e eu adoro, porque é essa a ideia”, diz. “É minha missão com meu projeto. Sinto que não me vendi como uma artista sensual. Mas me sinto como mulher no gênero, ‘Ei, sim, sou uma mulher’. Vamos pôr a parte feminina, a parte delicada, a parte sexy”.

Sempre Com Os Pais

Karol G nasceu Carolina Giraldo Navarro no dia 14 de fevereiro de 1991,  em Medellín, onde cresceu em um ambiente musical. O pai, Guillermo Giraldo, tocava música em eventos familiares, e Carolina o acompanhava na voz desde os três anos. “Cantei toda a minha vida,  desde pequena. Comecei com a canção ‘Pelo Suelto’ [de Gloria Trevi, aos quatro anos] e participei de muitos eventos”, lembra a artista.

O apoio dos pais, especialmente o do pai, foi incondicional. Hoje, continuam a acompanhá-la em todas as ocasiões importantes. No ano passado, quando Karol G ganhou o Grammy Latino de Melhor Artista Revelação, foi receber o prêmio na frente das câmeras com o pai ao lado. “Este homem é 99% da razão do sucesso da minha carreira, meu pai”, disse Karol G com orgulho.

Embora Guillermo Giraldo não pensasse que a filha se tornaria re­­ggaetoneira, nos anos 2000 a música urbana começou a ser ouvida em todo o mundo, e Carolina sentiu uma inclinação natural em relação ao gênero. “Não nasci nos bairros, não nasci na rua, procurei por ela”, diz a artista. “Fui a competições e campeonatos de freestyle e a festivais de reggaeton de rua”.

Em 2006, aos 14 anos, a cantora apareceu no X Factor, onde se apresentou como Karol G pela primeira vez. Ali assinou o primeiro contrato de gravação e, no mesmo ano, lançou seu primeiro single urbano “En La Playa”. “A música urbana não é algo que comecei a fazer porque era o que estava funcionando. Desde o primeiro dia que me chamei Karol G, desde aquele dia, faço música urbana”, comenta a artista. No momento de seu surgimento, o reggaeton começava a atingir seu primeiro pico em nível mundial. “Os produtores [de Medellín] queriam fazer o reggaeton de Porto Rico, mas não tinham os mesmos sons, nem o mesmo equipamento e nem a mesma forma. Então começaram a criar o próprio estilo”, explica Karol G, referindo-se ao reggaeton colombiano, carregado de toques mais sensuais e sabores de música pop.

“Amo muito Medellín. Você sabia que Medellín é chamada de a “Cidade da Eterna Primavera”? É porque por onde você passa vê flores e jardins. As pessoas são muito amáveis. Se você está esperando no semáforo, literalmente conversa com quem está ao lado”.

Suave e Poderoso

Medellín foi crucial para Karol G em todos os sentidos. Uma das primeiras parcerias de Karol G foi com Nicky Jam, e a cantora também é muito amiga de J. Balvin.

Em um mundo urbano dominado pelos homens, Karol G começou a se destacar com seu flow suave e versos poderosos, e com uma atitude sensual, mas não vulgar. Em 2016, assinou com a Universal Music Latino e seu single “Casi Nada” entrou no Top 40 da Billboard. Dois anos depois, Karol G se tornou uma das artistas urbanas mais bem-sucedidas da sua geração com a insaciável “Mi Cama”.

Seu álbum de estreia, Unstoppable (2018), estabeleceu Karol G como a primeira-dama do reggaeton contemporâneo no mesmo ano em que ganharia o prêmio de Melhor Artista Revelação no Grammy Latino.

“As mulheres vêm com força e mostram que também quebram recordes”, diz Marissa Gastelum, diretora de relações artísticas latinas da Apple Music. “Karol e artistas como ela estão demonstrando seu poder como mulheres e reivindicando seus lugares à mesa em uma indústria tradicionalmente dominada por homens”.

Assim como a constante mudança do mar, a cantora também reflete suas verdades multifacetadas por meio de sua música e de sua pessoa. Às vezes derrama o coração em baladas românticas, como “Ocean” e também sabe se tornar lúbrica em canções excitantes como “Pineapple”. Muitos temas do disco também nasceram por seu amor pelo intérprete de trap Anuel AA. Os dois se co­­nheceram pessoalmente durante as gravações de um vídeo no ano passado, e Anuel disse imediatamente ao seu empresário: “Ela será minha mulher. Te juro!”.

Karol ri com essas histórias. “Que coisa horrível eu saber disso e que isso tenha acontecido”, diz com uma gargalhada. Agora oficialmente noivos, os dois passam todo o tempo livre juntos e se ajudam em suas carreiras. “Fazemos tudo juntos, mas, todo esse tempo, somos superprodutivos”, diz.

No Tapete Vermelho

Em outubro, Anuel foi o maior vencedor dos Latin American Music Awards. Por sua vez, Karol G terminou sua turnê com Gloria Trevi e participou da trilha sonora da animação The Addams Family na canção “My Family”, na qual cantou versos em espanhol, juntamente com os rappers anglo-saxões Migos e Snoop Dogg.

“Quando cheguei ao tapete vermelho [da estreia], foi uma loucura. Eu me senti grande, me senti enorme! Não porque o fato de mil pessoas estarem tirando fotos de mim seja muito espetacular, mas por causa do tipo de comentário que as pessoas faziam: ‘Karol G. Olhe para mim aqui! A Latina! You’re huge!’ E me diziam coisas superbonitas”, conta, ainda com uma aura de incredulidade. “E, nas entrevistas, Snoop falou coisas maravilhosas de mim. No final do dia, sinto que o trabalho valeu a pena”.

Agora, Karol volta a olhar para o mar. “[‘Ocean’] derrubou muitas barreiras, não apenas na música urbana, mas em outros [gêneros]. O público ainda quer baladas e músicas para dedicar”, diz Karol G com uma pitada de surpresa. “Isso me mostrou que as pessoas sentem muito e ainda se apaixonam. É bonito fazer música para outros corações, para outras pessoas”.

Compartilhar

More related features

Mais, Miami, mais!

A seguir nosso guia com as últimas novidades nas regiões mais dinâmicas de Miami.

Mais Entretenimento

Beatriz Luengo Publica Novo Livro

Quando Luz Maria Doria Conheceu Gabriel García Márquez

Marrocos com o Derbez

Um Exterminador Com Sotaque Latino